CARCEREIROS – O FILME – CRÍTICA:

Carcereiros: A excelência de uma produção nacional!

Carcereiros – O Filme, uma produção entre a Globo Filmes e Imagem Filmes baseado no livro do Dr. Drauzio Varella, estreou e é dirigido por José Eduardo Belmonte. Apesar de já existir uma série, o filme consegue criar e acompanhar uma narrativa independente que explica bem ao público que não conhece o conteúdo da série.

Carcereiros

Carcereiros começa com o personagem de Rodrigo Lombardi, Adriano um agente penitenciário que, não só domina sua profissão como também não abre mão de fazer o seu trabalho de forma digna e correta todos os dias. Mesmo vivendo em um ambiente hostil onde qualquer ação pode levar a uma catástrofe. Adriano tem o respeito dos presos e sabe exatamente como abordar todos os prisioneiros independente de facções, religião ou crime cometido.

Abordando mais um dia de rotina, um dia de folga acaba com uma ligação do diretor do presídio solicitando seu serviço para vigiar um prisioneiro da Polícia Federal extremamente impiedoso e acusado de terrorismo internacional. Abdel, vivido pelo ex-BBB Kaysar, torna uma noite na prisão em um barril de pólvora prestes a explodir a qualquer segundo.

Carcereiros

Não só por ser um procurado de nível internacional, mas principalmente por seus crimes causarem tamanha revolta. Chegando ao conhecimento dos próprios presidiários, que além de viverem uma disputa interna de facções, são tomados pela necessidade de fazer justiça com as próprias mãos. Já que até para eles “maldades tem limites”.

Com toda a certeza o filme possui uma estrutura bastante incomum para as produções brasileiras de ação. Se arriscando ao extremo e construindo cenas que farão o público não querer piscar para não perder nada. Em filme de ação todo exagero é pouco, porém Carcereiros consegue fazer uma mistura onde contém ação hollywoodiana sem perder o jeitinho brasileiro.

Carcereiros

Diálogos que transitam entre momentos de extrema tensão à alívios cômicos, que não fazem perder o foco da trama. O filme possui todos os elementos necessários para agradar ao grande público e deixa um gosto de quero mais.

A pesar de possuir uma trama que passa ao espectador a tensão a cada segundo. E as intensas cenas de troca de tiros, bombas e mortes, Carcereiros precisa se permitir mais. Expandir seu potencial sem medo da bilheteria, pois se tem uma coisa que aprendemos este ano (principalmente com o filme Joker) é que, a criatividade não pode ser limitada para se encaixar em uma determinada faixa etária.

Carcereiros

Carcereiros possui muita autenticidade. Seria injusto compará-lo à Carandiru, ou a outros filmes nacionais sobre crimes. Pois ele se propõe a ir além da visão entre o certo e o errado. Não busca aceitação social e sim a sobrevivência. Criando um grande momento para a história cinematográfica brasileira. E abrindo caminho para que novas produções de ação.

PRAIA DO FUTURO (2014) – CRÍTICA:

Praia do Futuro – Ou o mar de nostalgia criado por Karim Aïnouz

Um salva-vidas cearense, seu irmão e um caso de amor com um turista alemão. Na superfície esses são os protagonistas de Praia do Futuro, o filme dirigido por Karim Aïnouz e escrito por Felipe Bragança, Karim Aïnouz e Marco Dutra. Conforme assistimos, percebemos que os protagonistas na verdade são as relações humanas e os sentimentos que nutrimos.

Praia do Futuro

Admito que escrever essa crítica foi duro. Assistir também foi. E não acredito que esta tenha sido uma obra para ser fácil de ver. Há alguma coisa, tanto nas performances, quanto na narrativa e no visual, que pesam. O azul é uma cor muito presente, o tempo todo. E a escolha não é em vão. O azul é a cor que simboliza a frieza, a monotonia, a depressão. Sentimentos difíceis de carregar que ficam palpáveis na narrativa de  Praia do Futuro.

Enquanto conhecemos a vida de Donato (Wagner Moura), um salva-vidas que enfrenta sua primeira perda no mar. Conhecemos também Konrad (Clemens Schick), um alemão amigo da vítima. Os dois se envolvem em um momento particularmente difícil. As emoções apresentadas a partir dessa perda, do medo da morte, da dificuldade em continuar, são o que levam o filme adiante. 

Praia do Futuro

Donato resolve então seguir para Berlin com Konrado, em meio a tentativa de se entender. A dualidade entre seguir por aquele caminho, ou voltar à sua antiga vida. As incertezas sobre seus sentimentos, e suas escolhas. O espectador fica preso em meio à um misto de perguntas sem respostas que segue até o final do filme. Mas a vida precisa de respostas? Não há uma correta.

A passagem do tempo trás de volta Ayrton, divinamente interpretado por Jesuíta Barbosa. Irmão de Donato, vai atrás do irmão que some e se isola da família. Há muita dor no personagem. Um luto por perdas que não foram possíveis de superar. Um jovem que carrega em si a busca por entender porquê do abandono. O reencontro pesa no peito da gente. 

Praia do Futuro

De certa maneira me senti presa na narrativa de Praia do Futuro. Mas não de uma forma agradável, como um filme que não conseguimos parar de assistir. Senti um peso, um desconforto, um desagrado. É sem dúvidas um filme de emoções. Não sei se foi a intenção do diretor Karim Aïnouz, mas foi o que me passou. E talvez isso não seja ruim. Talvez esteja justamente no fato de criar um ambiente tão rico emocionalmente que esteja o melhor de A Praia do Futuro. Criar uma obra que atinja de maneira tão direta quem assiste não é a tarefa mais fácil do mundo, mas ele consegue de forma primorosa.

A edição de Isabela Monteiro de Castro é um ponto a ser exaltado. Os cortes secos, as escolhas visuais, montam e enriquecem o filme. Peca um pouco na sonoplastia, senti que era um filme muito silencioso, quieto. Talvez esse tenha sido o objetivo, mas me incomodou. Saber então que Heroes do David Bowie era a música tema, me desagradou ainda mais. A obra passa longe do clima geral da música. 

Praia do Futuro teve sua estreia no prestigiado Festival de Berlim em 2014, onde concorreu ao Urso de Ouro, perdendo para o chinês Bai Ri Yan Huo, do diretor Diau Yinan.