MALÉVOLA DONA DO MAL – CRÍTICA:

MALÉVOLA Dona do Mal: Uma Sequência Que Tem Tudo Para Surpreender 

Em 2014 foi lançado a live action de Malévola sob a direção de Robert Stromberg e com a exuberante beleza de Angelina Jolie no papel principal. Considerada uma das vilãs mais perversas em sua primeira aparição em A Bela Adormecida de 1959. Porém o novo filme trouxe ao público uma releitura do ponto de vista de Malévola. O que causou certa oposição entre os amantes de clássicos. Mas se solidificou devido a perfeita atuação de Angelina Jolie que embora não tenha sido tão maléfica quanto muitos esperavam o filme agradou ao grande público. Possibilitando assim sua sequência.

Malévola Dona do Mal é uma continuação do primeiro filme desta vez dirigido por Joachim Rønning e com o retorno de Angelina Jolie demonstrando que nasceu para personificar a vilã. Acentuando todo seu poder não só por suas asas como também em seu figurino elaborado por Ellen Mirojnick. Que merece toda sua atenção por conseguir manter o charme e elegância da vilã ressaltando ainda mais a beleza e performance da atriz.

MALÉVOLA – NOVA ADAPTAÇÃO

Neste novo filme somos apresentados a um mundo encantado Disney que tanto amamos. A beleza e qualidade da fotografia dirigida por Henry Braham tornando cenários estonteantes intensificam a trama que começa a ser desenvolvida a partir da Princesa Aurora no reino dos Moors. A atriz Elle Fanning ressurge de forma mais poderosa e liderante sem perder sua doçura e inocência apresentados no primeiro filme.

Malévola Dona do Mal

Sendo surpreendida pelo pedido de casamento do Príncipe Philip, que neste filme foi substituído pelo ator Harris Dickinson, porém a substituição do príncipe pode passar despercebido para alguns e demonstra ser uma escolha mais assertiva ao decorrer do filme. Onde o ator acaba conquistando o público não só por sua beleza como também pela evolução de seu personagem.

O noivado da Princesa Aurora com o Príncipe Philip é motivo de felicidade para todos do reino dos Moors. Bem, ao menos para a grande maioria já que Malévola não aceita a união do jovem casal temendo não só pelo reino da magia, mas principalmente pelo bem estar de Aurora. Não poupando palavras para demonstrar sua insatisfação e em meio a sarcasmo e elogios, Malévola mostra o seu lado de madrinha protetora.

Malévola Dona do Mal

Para aliviar a tensão entre o reino da magia e o reino dos humanos a Rainha Ingrith propõe um jantar em seu castelo para comemorar a união do casal. A Rainha consegue ganhar grande destaque a cada ato com seu ar misterioso e suas palavras perversamente doces. Fazendo de Michelle Pfeiffer uma personagem icônica e inesquecível.

A verdade é que os trailers revelam bastante do que irá se passar no filme Malévola Dona do Mal entretanto o filme guarda surpresas que irão deixar os amantes de filmes Disney enlouquecidos. Seja por desenvolver uma sequência encantadora com efeitos especiais de tirar o fôlego. Ou por saber alinhar uma obra de ficção baseada em contos de fadas. Ao mesmo tempo levantando muitos aspectos que podem ser comparados com a realidade.

Malévola Dona do Mal

A ideia da maternidade está bem presente e significativa, questões como influências, valores e criação ao verdadeiro amor de mãe. A diversidade e respeito ao próximo por suas diferenças entra em pauta, pela nova adição de personagens que revelam o segredo de Malévola. Diferença alta desde o primeiro filme, que se concentrou apenas na relação de Malévola com Aurora.

Agora temos um pensamento maior por trás dos personagens e suas ações. E contanto ainda com a pertinente e importante pauta sobre a preservação das espécies. Sem contar que é apenas através da união da humanidade que poderemos prevalecer, sem guerras. 

Malévola Dona do Mal

Malévola Dona do Mal, era um filme que muitos temiam, pois o primeiro de 2014 fechou de uma forma que não indicava sequências. Mas é certo que de 9 pra 10, quando a Disney fala que vai fazer algo, devemos ter fé. Pois sem dúvida, está foi uma sequência mais do que bem vinda! 

MIDSOMMAR (2019) – CRÍTICA:

Midsommareleva a qualidade visual do terror, mas falha em consolidar sua história

Midsommar é um filme que causará grandes divergências entre opiniões tanto de telespectadores quanto a crítica pelo quesito em que será supracitado neste texto em questão.

O longa é extremamente rico. Ele dá pauta para muita discussão e torna-se um filme espetacular no ponto de vista técnico. A primeira questão a ser tratada é: Se você tem intuito de ir ao cinema para fazer uma analogia à Hereditário (2018). Provável que você se decepcione já que é uma forma errada de assisti-lo.

Midsommar

Midsommar inicia-se junto a conversão textual, partindo do princípio da tragédia familiar que ocorre a personagem, Dani (Florence Pugh). Devido a isso seu namorado Christian (Jack Reynor), decide levar a parceira para uma viagem acadêmica no interior da  Suécia. Assistir um festival Once in the left time, que ocorre a cada 90 anos… E por essa premissa em que o diretor lhe convida a entrar naquela comunidade onde ocorre o festival, e analisar a proposta no qual narrativa propõe.

Por ser um filme extremamente rico em simbologia, à angústia dos assuntos mal-resolvidos, soma-se uma ansiedade perante o desconhecido. Agravando o coletivo que não só fala outra língua como segue diferentes costumes. Devido a ser um filme complexo, e por levar 1h para entrar de fato na história, não há clímax algum. O diretor Ari Aster  aborda uma narrativa direta e lenta no qual se aproxima do cinema arthouse, do que o próprio terror. Isso é devido ao trabalho técnico junto a toda perspectiva em torno dos personagens, já que o processo criativo no qual demonstra a riqueza do filme.

Midsommar

Torna-se interessante como o diretor causa uma tensão sobre um estranho comportamento por trás dos aldeões. Que os recebem com graciosidade e logo revelam-se com hábitos mais brutais e adversidades da crença. Midsommar passa boa parte de seu tempo incitando dúvidas no mínimo interessantes (mas com toda as respostas previsíveis). O brutal suicídio de um casal de aldeões, que chegou à idade máxima de 72 anos, choca pela violência corporal gráfica das mortes. Mas cria um paradoxo ainda mais perturbador, que vem pela fala de Christian: “nós colocamos nossos idosos em asilos, e isso deve ser perturbador a eles”. Para uns, o fim de um ciclo, e para outros, loucura. (spolier)

Midsommar

Deve-se descrever grande parte do filme como verdadeiro incômodo, em que desenvolve  a proposta intimidadora ao telespectador, com suas duas horas e meia. De fato, torna-se intrigante  os costumes representados em cenas de longo silêncio, ou através das peculiares ilustradas que embelezam as casas e estábulos do vilarejo cinematográfico. O capricho do design de produção carrega as tintas em cores vivazes. Que sob uma fotografia propositalmente superexposta, cria mais outro paradoxo com o interior sombrio da personagem principal, que certas vezes se sobrepõe à beleza externa. Isso, é claro, até Midsommar assumir seus aspectos mais “tradicionais do terror gore”.

Midsommar

O  filme entrega uma virada ao convencional, sacrifica a ambiguidade que tornava a metade avanço de toda a narrativa de: Midsommar. De fato é uma experiência interessante devido à imersão. Inclusive repetindo truques sem o mesmo efeito particular que criavam à primeira vista. Personagens coadjuvantes passam a cometer atitudes estúpidas demais dentro da lógica antes estabelecida. Apenas para que sejam violentamente mortos um a um, afim de sustentar a perturbação. Resultando numa ambígua não tratada pelo psicodélico e psicológica, assim como já tratada nos contos góticos literários de Poe. Assim como Aster faz-se uma tentativa de reconhecer e adaptar para o terror contemporâneo.

Midsommar

Por fim, o cineasta tende muito trabalho a fazer na junção do aptidão estética com o drama íntimo e excêntrico. Devido a toda a simbologia, junto à conceitos pagãos  o contraponto entre os dois resulta em obras de grande impacto visual e visceral. Podendo assombrar pela intensidade da violência física e psicológica. Mas que falham em solidar maiores provocações nos telespectadores por trabalhar sua proposta através de métodos simbólicos.