MICHAEL, ANJO E SEDUTOR: DICA ATM

A utopia de Nora Ephron em Michael 

Nós ganhamos de herança comédias românticas que transformaram nossa visão do amor no cinema. E dessa herança Nora Ephron dirigiu, roteirizou e produziu histórias que acrescentaram, ao sonho do romance, uma realidade comovente. Desde Sintonia do Amor, o roteiro de Harry & Sally e Mensagem para você, Michael, Anjo e Sedutor, entra na lista como um dos filmes fracassados da diretora, mas adiciona em sua filmografia um sentimento quase de, calmaria e reflexão. Com uma história simples e maravilhosa. 

Michael anjo sedutor

Michael é um anjo decadente (perdão pela piada), que tem a missão na terra de devolver a um homem o seu coração. E o trio formado por um jornalista cético, uma mulher iludida e um homem sem confiança, partem a caminho para conhecer esse tal, “anjo”. Michael então os coloca em uma missão pela estrada para que esse grupo possa encontrar sentido em suas vidas.

É uma conexão instantânea que criamos com esses personagens. Talvez pela meia luz do nascer ou pôr do sol que Ephron sempre adiciona em suas cenas, ou a trilha de Randy Newman. Michael, interpretado por John Travolta, inspira de um jeito confortável, sabe? Claro que o roteiro acrescenta clichês ao personagem, mas quem se importa? Anos 90, uma maravilhosa trilha sonora e uma moral doce no final, com todo o jeito garotão de John Travolta, com o sorriso de lado que tanto adoramos. 

Michael anjo sedutor

Este foi o primeiro filme que eu assisti com William Hurt, quando eu era criança e depois de tantos anos, já em quase os meus trinta, acabo que por me reconhecer em certos aspectos que criam vida de Hurt para Frank Quinlan. Acho que quanto mais velhos ficamos, mais precisamos encontrar na simplicidade angelical inspiração, não é mesmo? Talvez vencer os nossos medos e nos entregarmos ao amor impossível à primeira vista. 

“Vocês precisam aprender a rir. É o caminho para o verdadeiro amor”

Michael anjo sedutor

Não há necessidade de cenários elaborados, personagens complexos, com um roteiro trabalhado em linguagens excêntricas. As vezes basta, só aquela velha receita, como eu disse, clichê, que se torna inesquecível, pois carrega lições que vamos levar para a vida toda. Foi um prazer, depois de tantos anos, re-assistir essa sessão da tarde na Netflix. Me lembrei das coisas que eu levava a sério na minha infância.

Se eu pudesse expressar de uma forma rápida o que a direção e o roteiro de Nora Ephron me apresenta com Michael, Anjo e Sedutor, seria: Um sorriso solto em uma tarde de domingo, na rede, ouvindo minha música favorita. Musicas de amor, musicas sobre torta, anjos e amor. Impossível esquecer essa. 

VOCÊ NEM IMAGINA – CRÍTICA:

Você nem imagina: “O amor é estar disposto a estragar seu quadro bom pela chance de um ótimo.”

Já está entre nós a nova comédia romântica adolescente da Netflix. Você Nem Imagina (The Half Of It) é mais um feliz acerto pro catálogo por nos trazer bem mais que um simples romance clichê adolescente. A produção ultrapassa a barreira do “mais do mesmo” dentro do segmento e entrega um filme sensível, com muito a dizer e a ensinar.

Você Nem Imagina

A adolescente Ellie Chu (Leah Lewis) é excelente com as palavras e usa esse dom ganhando dinheiro fazendo as redações de seus colegas de classe para ajudar nas despesas da casa em que vive com seu pai viúvo. Por causa da sua fama de boa escritora é procurada pelo atleta do time da escola, Paul Munsky (Daniel Diemer), um típico garoto adolescente péssimo com palavras, para escrever uma carta de amor para Aster Flores (Alexxis Lemire), a menina bonita e popular da escola por quem é apaixonado.

Ok, se você não conhece nada do filme, com toda certeza pensou que é um triângulo amoroso em que Paul, em determinado momento, percebe que na verdade o amor dele é a menina nerd e ambos terminam felizes e sobe os créditos. Felizmente isso não poderia estar mais errado. Temos mesmo aqui um triângulo amoroso, mas totalmente não convencional aos parâmetros dos filmes héteros que existem aos montes no audiovisual. Aqui, Ellie é apaixonada por Aster, o que muda tudo.

Você Nem Imagina

Conversei com um amigo sobre o filme e ele me disse “é mais do mesmo, só que com um romance lésbico” então eu prontamente disse “não, ter um romance lésbico muda tudo”.

Explico minha afirmativa dizendo que com toda certeza esse filme poderia cair no erro do “mais do mesmo” com muita facilidade. Mas termos aqui um romance lésbico (bem construído, importante frisar) muda ele por completo. Isso faz com que a produção se diferencie das demais e possa trabalhar questões que uma história com personagens héteros não se poderia.

Você Nem Imagina

Além do fato de não termos filmes assim, podem ter certeza que Você Nem Imagina era muito aguardado para parcela L da comunidade LGBTQ justamente por isso. Esperamos muito por um romance clichê de meninas pra aquecer o coração.

Bom, mas é claro que o filme tem muitos outros pontos que o tornam diferente dos demais clichês adolescentes. A narrativa construída aqui ultrapassa a questão do romance, o filme não se trata somente disso. Na verdade, trata do amor para além do amor romântico, na sua essência. O roteiro nos leva a entender melhor sobre o amor em suas diversas formas.

Você Nem Imagina

O amor vindo da amizade, vindo da família, o amor que parte de você para si mesmo. Em Você Nem Imagina temos todos os elementos de um bom coming of age. As dúvidas da idade, o amadurecimento, a descoberta do amor, da sexualidade, da forma de enxergar a vida e as pessoas.

O trio principal é bem convincente e criamos uma afeição imediata. Principalmente Alexxis Lemire e Leah Lewis que possuem uma química incrível juntas desde a primeira cena. A construção da amizade entre Ellie e Paul é também algo que se destaca na produção. Feita com um olhar bem delicado e cuidadoso vemos ambos se aproximarem e criarem laços de forma muito bonita.

Você Nem Imagina

Todos os personagens são apresentados de forma justa, você consegue os entender, entender suas ações e anseios. Mesmo que você tenha um lado desse triângulo pra torcer vai compreender a outras pontas.

A trilha sonora , as locações e a inserção de várias cenas clichês são um plus na produção. Não sei vocês, mas um filme que me entrega cenas embaladas com músicas dos 80’s me ganha na hora. A fotografia das cenas de Aster e Ellie no carro e no lago, tem como não se apaixonar? E por falar nas cenas clichês, aqui temos todos ou quase todos, é gostoso demais de assistir. Tem a derrubada de livros no corredor da escola, a corrida atrás do trem da pessoa amada, o banho no lago, a corrida pro beijo, o grande ato de coragem no climax do filme e troca de mensagens bem ao estilo A Nova Cinderela.

Você Nem Imagina entrega muito mais do que poderíamos imaginar. E por isso é uma grata surpresa e um alívio para a comunidade LGBTQ que vai poder colocar mais um filme na sua coleção de boas e escassas representações. Se você curte coming of age, romances clichês e aquela sensação de que o filme te ensinou muito em pouco tempo, vai amar Você Nem Imagina tanto quanto eu.

Nota: 9