CREED II (2019) – CRÍTICA

CREED II: A LUTA AINDA NÃO ACABOU

Os minutos iniciais de Creed II servem para situar o telespectador no universo de Rocky Balboa.

Adonis Creed (Michael B. Jordan), agora campeão dos pesos-pesados, deve encarar o maior desafio de sua vida: Viktor Drago, filho do infame pugilista russo, Ivan Drago. Responsável pelo assassinato de seu pai dentro do ringue.

Um filme que trata de assuntos como família, competição e acerto de contas. TEXTO LIVRE DE SPOILERS.

Creed II

Para quem é fã da série de filmes Rocky, é impossível não pensar no sobrenome Creed sem pensar no sobrenome Drago. A história das duas famílias está interligada por três décadas e é chegada a hora de passar tudo a limpo.

De um lado, temos a família Drago: Ivan Drago (Dolph Lundgren), outrora máquina de combate da União Soviética, agora deixado de lado, esquecido e odiado por todos. Fruto do meio onde vive, Viktor Drago (Florian Munteanu),  não conhece compaixão pelos seus oponentes, muito disso ensinado pelo seu pai.

Viktor acaba se tornando uma ferramenta para que o pai alcance a antiga glória que possuía dentro de seu país.

Creed II

Do outro lado, temos a família Creed. Adonis precisa decidir que tipo de homem se tornará, qual o tipo de campeão vai ser e se poderá constituir uma família. Bianca (Tessa Thompson) está cada vez mais engajada com a música no longa, expandindo sua música para além da Filadélfia. Sua presença em tela é sempre notada, sendo um ótimo contraponto ao psicológico “instável” de Adonis.

E temos também Rocky, que cumpre seu papel como mentor e tio de Adonis, tendo pouco tempo de tela se comparado ao filme anterior, consequência das declarações de seu intérprete, Sylvester Stallone à imprensa, no ano passado. É possível perceber que, aos poucos, Stallone está passando o bastão para Michael B. Jordan carregar a franquia, feito comprovado em Creed II.

“Pelo que você luta?”

Creed II

Existem outras problemáticas como orgulho, abandono psicológico, tendo Viktor como principal vítima, expectativas, a competição e reconciliações familiares. O longa flerta diversas vezes com o conceito de vingança, afinal, Adonis está enfrentando o filho do homem que matou seu pai a sangue frio.

No entanto, a moral de Creed II vai muito mais além, a ponto de estabelecê-lo como um filme de moldes clássicos, porém contemporâneo, interessante e digno de seu ingresso à sala de cinema mais próxima.


Sobre o Autor

Lucas Aquino
Cresceu vendo atos heroicos de Luke Skywalker, Leia Organa e Harry Potter; fã do cinema da década de 80 e geek desde os 12 anos. Roteirista, escritor e na constante busca por igualdade no cenário nerd/geek. Também conhecido por Luquino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *