cinema

CRÍTICA: EXORCISMOS E DEMÔNIOS – A CRUCIFICAÇÃO (2018)

Uns dos temas mais usado do Terror ultimamente é o Exorcismo, são tantos e tantos filmes de Exorcismo que é difícil você lançar um filme que traga algo novo que seja realmente assustador, E no Exorcismos e Demônios: A Crucificação ( The Crucifixion) fica mesmo no clichê.

A historia se passa na Romênia quando um padre é sentenciado à prisão após a morte de uma freira em que praticou um exorcismo, uma jornalista investigativa se esforça para desvendar de fato se ele assassinou uma pessoa mentalmente doente ou se apenas perdeu uma batalha contra uma presença demoníaca.

A personagem principal é uma jornalista que investiga o caso da morte de um freira que ocorreu em uma sessão de Exorcismo. No inicio isso se torna interessante faz lembra muito do O Exorcismo de Emily Rose, fazendo acreditar que pode ser uma historia diferente onde tem uma investigação que deixa a duvida se realmente tem um demônio ou é o padre que o verdadeiro culpado. Mas logo esse clima de mistério se acaba e tudo fica no clichê. A atriz Sophie Cookson que faz a jornalista é muito ruim na atuação não tem como você criar uma empatia com a personagem, a motivação dela é algo que você não entende por mais que o roteiro tente colocar o motivo, mas não é algo suficiente. A personagem é burra, e por mais que ela faça um papel de não acreditar em Deus, acontece um monte de situações, onde ela continua descrente e vai justamente onde o roteiro preguiçoso quer que ela vá.

Exorcismos e Demônios: A Crucificação é aquele filme que torcemos para que seja bom, ele não é bom nem é ruim, é um filme que dá pra assistir, pois ele tem um leque de argumentos e acessórios que pode fazer um filme ficar bom. O filme se passa na Romênia, país rico de historias assustadoras como Drácula, Lobisomem e outros, o roteiro é dos irmãos Chad e Carey Hayes os mesmos de Annabelle e Invocação do mal. Tem um ar investigativo pra trama, pra saber se foi homicídio ou não, baseada em uma historia real. Tem tanta coisa para ter dado certo que parece difícil ele ter dado errado, mas deu. Os irmão Hayes, que tem filmes de peso no currículo dessa nova geração do Terror, fizeram um roteiro preguiçoso, com falhas e diálogos que não se encaixam. O diretor Xavier Gens (Hitman: Assassino 47) que não teve ainda um trabalho expressivo, deixou o filme com cenas clichês, entendo que algumas coisa não dá para inova sempre, mas o filme não assusta, você já sabe onde e quando vai aparecer algo na cena.

Tenho que ressaltar a maquiagem e a fotografia que estão ótimas, as cenas de Exorcismo tem um trabalho bacana de querer mostra a dor e sofrimento da vitima, das feridas, o cenário do quarto por exemplo te traz um incomodo, algo claustrofóbico, onde tem muitas cruzes e a paredes são de pedra, a iluminação fechada. A fotografia em algumas cenas é perfeita, tem uma cena que envolve água que não vou falar muito, mas é muito boa. Tirando esses acertos o filme cai no clichezão. É cheio de jump scares que são usados o tempo todo ate nos alarmes falsos. E quando você acha que vai melhora que é a parte final, acaba tão rápido antes que você se anime pro filme

Exorcismos e Demônios – A Crucificaçãovem em um tema saturado no cinema, onde o filme precisa ser muito para sobreviver; O filme não assusta e nem agrada ao amantes do terror, mas para quem está começando agora no gênero, talvez se surpreendam com alguma coisa aqui e outra ali. Mas para muitos, não irá agradar. Mais um filme que com o tempo ficara no esquecimento. 

Sobre o Autor

Deixe seu comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.