PLANO IMPERFEITO (2018) – CRÍTICA

O PLANO IMPERFEITO – Um retorno à Era de Ouro da RomCom

Sim, querido leitor. Você está lendo esse texto e pensando “olha lá, lá vai a Juliana escrever mais uma crítica por causa da Zoey Deutch. Você está certíssimo! Mas para além disso, eu não poderia deixar de falar sobre o novo filme da Netflix, O Plano Imperfeito que está sendo comentadíssimo por aí, e que traz para aqueles que amam comédias românticas um calorzinho no coração de saber que yay, nosso gênero preferido está vivo!

O Plano Imperfeito

Plano Imperfeito é protagonizado por Deucth (Flower, Vampire Academy) e Glen Powell (Estrelas Além do Tempo, Batman: O Cavaleiro das Trevas) conta a história de Harper e Charlie – dois assistentes que vivem em função de seus chefes (interpretados por Lucy Liu e Taye Diggs). Harper e Charlie se conhecem em uma longa noite de trabalho e acabam formando uma amizade. Os dias passam, e enquanto dividem as frustrações por não terem vidas e serem obrigados à viver o inferno que os chefes fazem da vida deles, acabam tendo a (não totalmente) brilhante ideia de juntar os dois e talvez assim conseguirem um pouco de paz.

O Plano Imperfeito

A trama é bem leve e divertida. Deutch e Powell tem uma química muito boa em tela, você começa a torcer por eles e mesmo que juntar um casal as escondidas não seja a coisa mais legal do mundo a ser feito, a gente passa a querer que aquilo dê certo. Tanto por eles, quanto pelos chefes. É muito fácil de ver no desenrolar da trama o quanto uma vida pessoal complicada, e as vezes inexistente, faz com os executivos.

O Plano Imperfeito

O timing das piadas é muito bom, as vezes você perde um pouco o ritmo delas, mas nada que atrapalhe a narrativa. O romance é construído de forma fluida e não forçada. Pessoalmente, adorei a personagem da melhor amiga da Harper, interpretada por Meredith Hagner (Amor à Distância), gostaria que ela aparecesse só mais um pouquinho.

O Plano Imperfeito

Outro que podia ter aparecido mais foi o personagem interpretado pelo Tituss Burgess. Toda vez que o Tituss aparece eu morro de rir! Um problema do longa é o som. As músicas de fundo muitas vezes sobrepunham a fala dos atores e eu tinha que fazer um esforço para ouvir o que eles falavam.

O Plano Imperfeito

Plano Imperfeito é um cadinho clichê? É sim, não nego. Mas quem não gosta de um clichê bem feito? O ponto alto para mim foi que finalmente acertaram a mão em um filme de comédia romântica sem que ele ficasse brega, ou sem graça. Pegaram a formula dos filmes dos anos 1990 e início dos anos 2000 (que eu pessoalmente amo!) e fizeram dar certo! Por favor, Netflix, continue mandando mais filmes assim!


Sobre o Autor

Juliana Catalão
Estudou cinema no ensino médio, onde foi técnica comunicação social. É a maior fã de Harry Potter e de cantores que ninguém conhece. Recentemente fã de filmes de super herói, mãe do Midoryia de BNHA, editora de livros nas horas vagas.