JOVENS TITÃS EM AÇÃO – CRÍTICA

JOVENS TITÃS EM AÇÃO – Divertido, engraçado e bem feito!

Acredito que a maioria dos jovens adultos da minha geração passaram partes de suas manhãs assistindo aos desenhos que passavam na TV Globinho, ou no Bom Dia e Cia do SBT. Era uma rotina sentar em frente à tv e assistir antes, ou após o horário da escola, os nossos super-heróis saindo por ai derrotando as forças do mal. Os Jovens Titãs fazia parte desse grupo de animações que nos provoca tantas lembranças. O desenho produzido de 2003 à 2006 conquistou seus milhares de fãs pelo mundo, e em 2013 ganhou uma nova versão não canônica, adaptada para um público mais jovem e exibida pelo Cartoon Network.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

A animação agora ganha uma adaptação cinematográfica numa parceria entre os estúdios Warner Bros. e a DC, com direção de Aaron Horvath e Peter Rida Michail, e roteiro por Michael Jelenic e Aaron Horvath. A dublagem conta com nomes como Kristen Bell (Frozen), Will Arnet (Meu Malvado Favorito) e Nicolas Cage (A Lenda do Tesouro Perdido). No Brasil o longa teve os mesmos dubladores do desenho Manolo Rey (Robin), Charles Emmanuel (Mutano), Mariana Torres (Ravena), Eduardo Borgeth Neto (Ciborgue) e Luiza Palomanes (Estelar) e direção de Marco Ribeiro.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

A história do longa é bem simples, os Jovens Titãs percebem que todos os super-heróis por ai estão estrelando seus próprios filmes, e decidem então que eles mereciam um filme próprio. Principalmente Robin, que mostra uma sede de se mostrar importante, uma peça chave para além de um simples ajudante. Então eles começam a pensar nos ingredientes necessários para se tornar um grande herói: ter um arqui-inimigo.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

Os Jovens Titãs em Ação é um desenho pensado principalmente para o público infantil e isso fica bem explicito em várias cenas do filme. Em certos momentos eu me pegava pensando que estava assistindo a um conteúdo destinado ao meu irmão de 6 anos. As piadas com coco, pum, o sol com carinhas e os arco-íris, as músicas extremamente infantis davam o tom ao filme. É muito fácil imaginar então que esse seria o viés procurado, não? Mas para a minha grande surpresa e divertimento, o longa conseguiu trazer muito mais do que isso para a tela.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

Logo na abertura o público percebe a ideia ali, trazer referências e tirar sarro de tudo e de todos, principalmente da tal rixa entre DC e Marvel. O longa começa com a clássica abertura dos filmes da DC, mas dessa vez em desenho. Uma das primeiras piadas é sobre os Guardiões da Galáxia, e volta e meia nós conseguimos pescar referências cinematográficas num geral, até uma mini-crítica sobre um tal filme que não deve ser nomeado (cof cof Lanterna Verde cof cof), além de um cameo super especial – não vou contar qual para não estragar a surpresa. Ah, e a cena pós-créditos pode deixar o coração de alguns muito feliz e nostálgico!

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

O vilão Slade Wilson é divertido e interessante, mas não é o melhor vilão que se pode encontrar por ai. Pelo menos nesse filme. Slade é realmente um dos vilões dos quadrinhos e aparece tanto no Jovens Titãs original, quanto em tantos outros lugares, como em Arrow, por exemplo, além de ter um quadrinho dedicado só a ele chamado Deathstroke. Um passarinho aqui me disse que ele é um dos vilões mais adorados da DC, competindo com o Coringa. Uma das piadas recorrentes no filme é justamente sobre a semelhança entre ele e o Deadpool, comparação esta que é feita há anos entre os fãs.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

O plot twist também não foi dos mais assombrosos, mas funciona. Acho que a função do filme nunca foi trazer para a mesa quaisquer conteúdos que deixassem o público surpreso, mas sim passar um tempo de qualidade no cinema onde todos pudessem se divertir, tanto adultos quanto crianças. Meu único questionamento é que talvez em alguns momentos o balanço não tenha sido muito bom, pesando muito para um conteúdo que só adultos poderiam entender, ou em momentos que agradariam apenas as crianças.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

Um detalhe super legal e que vale a pena ser comentado é que a trilha sonora original vive tocando ao fundo, e todo mundo que já escutou a clássica versão com Puffy Ami Yumi vai reconhecer facilmente. Gostei muito também do cuidado que tiveram em colocar alguns dos quadrinhos dos outros heróis , preservando seus traços originais. Num desenho é muito fácil ver o contraste e esse detalhe ficou ótimo em tela.

JOVENS TITÃS EM AÇÃO

Apesar disso, o longa é engraçado e empolgante, mesmo que em alguns momentos perca o ritmo. É um ótimo caminho caso você queira que seu filho ou irmão se empolgue mais com o universo dos quadrinhos ou pop num geral. Vale a pena assistir com um olhar aguçado para captar tudo que acontece no plano de fundo, seja um personagem que aparece como um easter egg ou os vilões do desenho aparecendo de relance na tela. Eu gostaria de ter tido um filme assim enquanto crescia. Mas mesmo se você não tem nenhuma criança pra levar ao cinema, o ingresso vale pela diversão!


Sobre o Autor

Juliana Catalão
Estudou cinema no ensino médio, onde foi técnica comunicação social. É a maior fã de Harry Potter e de cantores que ninguém conhece. Recentemente fã de filmes de super herói, mãe do Midoryia de BNHA, editora de livros nas horas vagas.