Artigos recentes

CRÍTICA: PAI EM DOSE DUPLA 2 – Desnecessário

É 2015 e final de ano, Natal e Ano Novo. Pretendo ir ao cinema e cometo o erro de dar uma chance a Pai Dose Dupla. Eu tinha visto o trailer e esperava algo natalinamente divertido. Me enganei, obviamente. Comédias pastelão, com um toque de emoção no ato final para explicar uma trama inexistente, não me atrai. 
Eu realmente não esperava uma sequência, mas, assim como “Perfeita, é a mãe”, “Pai em Dose Dupla 2” ganhou sua nova chance nas telonas para reprisar piadas antigas, formulas baixas e um elenco esquecido por Hollywood. Seu antecessor me deixou com a barra da expectativa tão baixa, que cada vez que avistava o poster ou o trailer em algum lugar, eu balançava minha cabeça em desaprovação. O filme usa Mel Gibson no que ele sabe fazer de melhor, um babaca altamente masculinizado, mulherengo em caráter em oposto ao carinhoso, incrivelmente talentoso John Lithgow, que prova ser o melhor avô do mundo (Suas cenas são as unicas partes dignas de serem salvas no total deste filme) e somos apresentados a piadas até engraçadas, isso eu admito. Mas ainda assim, não compensa a ida ao cinema ou qualquer outra forma de streaming para este filme. 
Acredito que desde 2013 Mark Walberg está embarcando em projetos que falham em demonstrar seu trabalho. Sei que temos que pagar nossas contas, mas deem um papel bom para esse cara, ele consegue! (Saudade Quatro Irmãos). Agora, em uma era abençoada da Industria onde abusadores não passarão, o máximo que Mel Gibson conseguira atuando será isso. E já to achando muito, nem deveria estar aqui pra começo de conversa, fazendo um personagem que vende sua total conduta fora das telas, um idiota. 
Por que eu assisti esse filme? Estou me perguntando isso até agora. Mas né, esse entra para a lista daqueles filmes ruins de final de ano que a família ira sentar para assistir na sessão da tarde de um dia 24 qualquer daqui a uns dois anos. Não dá pra evitar. 

Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Pseudo escritora, artista plástica nas horas vagas. Criadora e colunista principal do site Cinema ATM.

Deixe seu comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *