CRÍTICA: RAW (2016) – A ARTE DO CANIBALISMO!

RAW – VISCERAL (visceral) a. 1. Que faz referência às vísceras; visceroso: dor visceral.[Figurado]

2 Que está enraizado; de teor extremamente particular e profundo.

3. Lidar com emoções brutas ou elementares.

Eu deveria estar preocupada com o fato de que eu gostei tanto deste filme?  

Este filme foi impressionante. Quando eu entrei no cinema eu não tinha visto o trailer e sabia quase nada sobre ele. Assim que os créditos rolaram, fiquei chocada e completamente sem palavras. Se eu tivesse que descrever este filme em uma frase, tão ruim quanto parece, eu diria que é diferente de qualquer coisa que eu já vi antes. Se eu tivesse que descrevê-lo com uma palavra, eu diria visceral.

raw

Raw captura com perfeição a relação entre irmãos e o olhar da adolescência. Uma trilha sonora que se encaixa perfeitamente em todo o contexto da história e ainda encerra com a descrição mais chocante do canibalismo que eu vi em toda a minha vida. Tão estranho como parece, as cenas com canibalismo se encaixa precisamente em nosso dia a dia de diversas formas. Eu realmente não posso dizer por que este filme funciona, tudo que eu sei é que ele funciona. Tinha vários desses momentos em que você realmente quer que algo aconteça, mas você sabe que não pode acontecer, exceto neste filme, tudo acontece. Senti minha mandíbula cair pelo menos cinco vezes. Finalmente, tem momentos extremamente engraçados que surgem do nada e aliviam a natureza escura. Uau!

Pontuação para Jim Williams que também foi magnífico com a trilha sonora e o órgão realmente eletrifica e capacita cada cena. Indo de uma introdução suave de piano e violino a um tema de orquestra de órgãos ensurdecedor suportando musicalmente a loucura dos personagens e a natureza casual do filme.

landscape-1484251467-raw-trailer

Raw também é um filme especial para mim. De todos os filmes que clássico com 5 estrelas é o único que eu não recomendaria a todos. É extremamente gráfico e, alguns diriam, nojento. E eu adorei cada segundo!  Este é o primeiro filme de Julia Ducournau e mal posso esperar até o próximo.

Conclusão: Se você tem problemas para ver sangue e vísceras fique longe. Se não, coma-o como uma perna humana crua.


Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Editora, Artista plástica, ilustradora. Criadora e web influencer do site Cinema ATM onde escrevo algumas coisinhas sobre os filmes que assisto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *