CINEMA

CRÍTICA: STAR WARS – ROGUE ONE (2016)

A Disney tinha uma pequena e grande missão: Contar uma história de máxima importância dentro do Universo Extendido de Star Wars, com Rogue One, pode considerar missão cumprida! 
 
Rogue One consegue pegar cada chance que tem para honrar as raízes e influências de todos os elementos que ajudaram a formar a Odisseia Espacial de George Lucas com louvor. Referências a Kurosawa, Melville e ainda um pouco de Copolla solto no ar, com material suficiente de jogos de linguagens e easter eggs dos clássicos originais. Tal como o “Despertar da Força”. o fator nostalgia não oblitera a plot original do filme, ao contrário, conta mais como um background seguro para levar o público em se localizar da melhor forma, contando a história desde sua concepção original e em como chegamos naquele momento temeroso dentro da Força. 
 
 
rogue-one-jyn-ersa-geared-up
Seguindo sobre tons, Rogue One é sem dúvida o filme mais sombrio de toda a saga Star Wars, desde a Vingança dos Sith, que se tornou uma refrescante reviravolta para uma franquia que acreditavam ser direcionada para um público mais jovem. Gareth Edwards, que fez um trabalho razoável com o remake de Godzilla em 2014, conseguiu trazer de uma forma majestosa, todo o senso intrigante que chegou com Uma Nova Esperança. O Império cobre toda a galáxia em seu manto de escuridão, criando uma tensão que leva a Rebelião a repensar sua abordagem de defesa. 
 
Minhas expectativas por Rogue One, comparadas a minha reação por O Despertar da Força, estavam baixas, e talvez esse tenha sido o que me ajudou a apreciar todo o esforço e tudo o que foi construído nesse filme. É certamente um filme bem ousado para a Disney ( e nas mãos do próprio diretor), em criar um spinoff que poderia ter sido facilmente empurrado pra debaixo do ônibus e ter direcionando a história para um caminho completamente diferente. Mas, Rogue One recebeu o valioso trabalho do roteirista Tony Gilrow. Falando da perspectiva de alguém que é difícil odiar até mesmo as piores coisas relacionadas a Star Wars, Rogue One data como uma das melhores criações dessa franquia, sendo também um incrível memorial ao trabalho original de George Lucas. 
 
 
Rogue One: A Star Wars Story(Donnie Yen)Ph: Film Frame©Lucasfilm LFL
 
Intensas sequências de ação, coisas explodem sem parar, pessoas importantes morrem. Os melhores efeitos especias… Tudo isso transforma Rogue One em algo único. “É para os fãs?” Não. Mas a sensação criada pelo charme da tamanha criatividade posta nessa obra, integrada a uma história que trás algo realmente inovador para o Universo de Star Wars, é irresistível demais para deixar passar. 

Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Editora, Artista plástica, ilustradora. Criadora e web influencer do site Cinema ATM onde escrevo algumas coisinhas sobre os filmes que assisto.

Deixe seu comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.