CINEMA

CRÍTICA: T2 TRAINSPOTTING (2017) – Uma sequência sobre nostalgia!

Sou uma nostálgica por natureza. De vez em quando, quando algo acontece que me faz lembrar de tempos passados, seja uma foto, um filme ou uma certa música, eu me encontro revirando o passado, pensando em quando eu era criança ou pensando em antigos amigos que eu raramente vejo. Eu realmente amo pensar em etapas importantes na minha vida e eu acho que é realmente interessante pensar sobre o que poderia ter sido.
Quando se trata de filmes, Trainspotting foi uma das etapas que me fez ser a amante de cinema que eu sou hoje. Eu descobri este filme quando eu tinha cerca de 16 anos, 8 anos atrás, e tenho assistido inúmeras vezes desde então. Há algo sobre esses personagens que sempre me fascinou, e eu sempre fui capaz de me relacionar com eles. Podemos dizer que eu estava realmente animada quando Danny Boyle anunciou a sequencia de um dos meus filmes favoritos  e eu tenho esperada ansiosa desde que assisti o primeiro trailer. 
T2 Trainspotting respira nostalgia com cada segundo. Há inúmeras referências ao primeiro longa, seja o icônico discurso de Mark “Choose Life” ou o momento em que Begbie motiva uma multidão. Se você não é capaz de lidar com uma grande quantidade de nostalgia em uma sequencia, você deve ficar longe deste filme.  Danny Boyle tratou os momentos nostálgicos tão bem que não ficaram forçados e nostalgia, para mim é a coisa mais importante sobre uma boa continuação.
Mais uma vez, Danny Boyle provou o que é um cineasta que sabe trabalhar sua imaginação com maestria. Em T2 Trainspotting, Boyle foi capaz de usar toda a sua criatividade e inovação, que se junta em alguns cortes de cena excelentes. Por exemplo, há um uso inteligente da técnica de splitscreen, e há um outro exemplo de narrativa visual brilhante que me lembrou a cena lendária do banheiro Trainspotting. É difícil dar uma ideia do que quero dizer, mas eu só posso aconselhá-lo para ver este filme o mais rápido possível, porque Danny Boyle é incrível. 
No entanto, T2 Trainspotting também vive de seu elenco e suas performances. Ewan McGregor, Jonny Lee Miller, Ewen Bremner e Robert Carlyle parecem não ter envelhecido desde 1996 e suas performances são, para cortar uma longa história curta, excelente. A química entre esses caras é tão brilhante, e parece que eles só estavam esperando o chamado de Danny Boyle, pedindo para fazerem essa filme. 
Se eu fosse colocar falhas no sentido pessoal, não teria. Claro, ele se arrasta um pouco lá pela metade, mas há uma abertura brilhante e um final ainda mais brilhante para tudo. T2 Trainspotting é uma sequencia mais do que digna.

Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Editora, Artista plástica, ilustradora. Criadora e web influencer do site Cinema ATM onde escrevo algumas coisinhas sobre os filmes que assisto.

Deixe seu comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.