cinema

CRÍTICA: UM LUGAR SILENCIOSO (2018) – O Terror SCI-FI que nós esperávamos!

Sendo levado pelo o que parece os últimos dez minutos de 10 Cloverfield Lane esticados em um filme de 90 minutos, Um Lugar Silencioso é o que eu gosto de chamar de uma “agradável surpresa” se eu já não estivesse com o hype ligado 24/7, ouvindo o pessoal dizer que este é um dos clássicos modernos de terror sci-fi. Eu raramente gosto de considerar um filme clássico logo assim que ele sai nos cinemas, mas esse aqui, definitivamente, tem potencial e é parecido com o já mencionado 10 Cloverfield Lane, o que muitos consideram como o melhor filme de terror de ficção científica da década. 
 
O filme é estrelado por Emily Blunt e John Krasinski como marido e mulher com dois filhos (depois de sofrer a perda de um terceiro filho) que vivem em uma fazenda na floresta mais de um ano após uma aparente invasão alienígena que transformou, pelo menos, sua parte do mundo em um pós-apocalipse. Os alienígenas são cegos e caçam  sonoramente, forçando a família a fazer sua rotina diária o mais silenciosamente possível. Devido à filha ser surda, a família é capaz de se comunicar por meio da linguagem de sinais. Com base em alguns recortes de jornal mantidos pelo marido, parece que a invasão foi devastadora, embora em que medida não é claro. Há pelo menos três alienígenas na área, e um infeliz acidente e a gravidez iminente da esposa gerarão ruídos que obrigarão a família a uma luta desesperada pela sobrevivência.
 
 
Funcionando basicamente como um filme de ficção científica / terror / suspense de 90 minutos, Um Lugar Silencioso é um filme excelente e brilhantemente atuado. Dirigido pelo próprio Krasinski, o homem demonstra uma mão hábil no gênero, capaz de aumentar a tensão e o suspense com ângulos e tomadas incrivelmente compostos e uma atenção especialmente cuidadosa ao uso do som. Fiquei particularmente encantada com o uso de certas cenas vindas do ponto de vista auditivo da filha surda, no sentido de que todo o som é interrompido durante essas cenas. A segunda metade do filme é uma sequência intensa após a outra, já que nossos líderes têm que encontrar uma maneira de evitar os alienígenas depois que eles chegam à sua fazenda.
 
Eu também gostei muito da falta de diálogo. Aprendemos muito do background da família através de suas ações e rotina diária, particularmente que o personagem de Krasinski é claramente um habilidoso sobrevivente. Os temas do vínculo familiar e do amor brilham fortemente também, sem exagero, na medida certa, especialmente em um momento emocional perto do fim. Para esse fim, as performances de todo o elenco são excepcionais, com o melhor trabalho vindo de Emily Blunt, que continuamente prova por que ela é a melhor atriz de sua geração. Uma seqüência inteira envolvendo desde o rompimento da sua bolsa, enquanto ela se distorce pela dor em completo silêncio, a dor tão convincentemente transmitida através de suas expressões faciais que você involuntariamente estremece junto com ela em solidariedade e agonia.
 
 
Na maior parte, gostei do design alienígena. Visto de longe e quando em movimento (eles são rápidos como um raio), eles são eficazes e assustadores e seus corpos lembram um pouco o monstro de Cloverfield, embora em uma escala muito menor (quero dizer que, como positivo, acho que design bastante assustador). De perto, as cabeças da criatura são um pouco Resident Evil-ish, o que eu achei um pouco perturbador. Este não é um filme sem falhas. A falta de exposição também é uma desvantagem. Eu realmente queria saber mais sobre essa invasão, como ela aconteceu e seu efeito pleno no mundo. Para uma família que estabelece um plano de sobrevivência tão meticuloso como este, você pensaria que eles teriam um ponto de encontro fixo se fossem divididos. Também é um pouco difícil acreditar que o eventual método da família para combater os alienígenas não tenha sido descoberto antes, considerando o que sabemos sobre as criaturas.
 
Pequenos inconvenientes de lado, esta é uma entrada de terror sci-fi fantástico, brilhantemente representada e habilmente trabalhada por Krasinski e definitivamente um que eu vou estar adicionando na minha eterna lista.

Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Editora, Artista plástica, ilustradora. Criadora e web influencer do site Cinema ATM onde escrevo algumas coisinhas sobre os filmes que assisto.

Deixe seu comentário


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.