DICA DE FILME: SINAIS (2002) – O que houve com SHYAMALAN?

Todos nós sabemos que Shyamalan é “ame-o ou deixe-o”. E como todo ser humano normal, ele teve suas fases boas e ruins. Sinais ainda está na fase boa.

Com seus filmes de 1999 indo razoavelmente bem ficamos perdidos quando houve aquele acidente chamado O Ultimo Mestre do Ar (2010) e Fim dos Tempos (2008). Analisando seus trabalhos desde esses dois filmes, vemos que o que sentimos falta nele é a sua humanidade verdadeira. Seus filmes ficaram comerciais de um forma que não foi muito bem recebida pelo publico no geral. Tantos seus fãs quanto os que não curtem seu trabalho, o que foi um prato cheio para opiniões negativas com razão.

 

 

 

 

Sentimos falta da pureza de seus personagens assim como em Sinais, onde trata de humanidade de uma forma sentimental de como ela realmente deve ser. Sentimos falta de todos os personagens sendo pessoas boas, lutando contra os outros que também são bons. E é ai que entra empatia e a questão do ser humano ser como ele é. Não sendo ruim e imperfeito porque ele quer, mas sendo assim porque ele é. Infelizmente.

Mel Gibson fez um ótimo trabalho assim como em Coração Valente. Em sinais, podemos ver o quanto ele se dedicou para nos fazer acreditar que apesar de Graham Hess ter perdido a fé ele ainda acreditava que o correto para ele seria se agarrar ao máximo ao espírito santo que o acompanhava diariamente.

 

 

 

 

 

 

Ele representou muito bem aquelas pessoas que perdem a fé em qualquer coisa que seja e acabam se decepcionando por sentirem medo por ter perdido algo espiritual tão importante. Isso em certo ponto o fez fortalecer ainda mais a sua convicção de que nada é por acaso e que as coisas podem ser resolvidas sim, se você crer que algo além do que está ao nosso alcance pode nos dar a mão. Pode nos ajudar.

Só precisamos acreditar naquilo que é forte e que não podemos ver.  Isso é ter fé.


A DIFERANÇA na direção do filme é visível quando comparamos Sinais com outro filmes do Shyamalan. Ele continua falando sobre humanidade (mesmo quando você não espera), mas seu estilo de filmagem mudou. As composições de um filme são diferentes umas das outras, mas sabemos quando tal trabalho se trata de tal diretor pelo seu jeito de mostrar as coisas. Seu modo de enxergar as situações faz com que todas pareçam muito bem umas com as outras, transformado assim seu estilo em algo forte do filme na sua assinatura.

 

Assim como eu falei, seu estilo de fotografia mudou! Podemos ver o quanto os personagens estão tensos por vários e vários motivos através das mãos e dos pés. Quando eles sentem medo ao afastar o que não se pode ver, quando eles tomam a decisão por impulso de defender o próximo e quando sentem a vida voltando ao seu lugar, finalmente.

 

Sinais é sem duvida alguma um dos filmes que irá te fazer repensar sobre diversos assuntos tratados ali sutilmente.
Um filme que fala de amor, lembranças e fé no que não se pode tocar, mas se pode sentir.

LEIA TAMBÉM: Um Homem das Cavernas (animação), Dívida Perigosa (Jared Leto), Baseado em Fatos Reais (Polanski)


Sobre o Autor

Susu Oliveira
Fotógrafa, videomaker e dou uma de crítico de cinema achando que to abafando. www.maxwelenoliveira.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *