FORA DE SÉRIE (2019) – CRÍTICA :

Fora de Série – O COMING OF AGE QUE PRECISÁVAMOS

Não reclamarei aqui sobre o legado de John Hughes não estar sendo devidamente representado ou algo do tipo. Afinal, algumas obras, principalmente dos últimos anos, deixariam qualquer fã de Hughes bem satisfeito. Como exemplo, temos o incrível As vantagens de ser Invisível  e mais recentemente, Quase 18. Ambos bem-sucedidos na missão de nos passar as aflições que acompanham o amadurecimento. 

Fora de Série

Então, diante disso, seria errado dizer que o mérito de Fora de Série é ser o que os outros não foram? Bom, talvez. Mas a verdade é: ele é tudo que você procura em um coming of age e mais um pouco.

Fora de Série acompanha as melhores amigas Amy (Kaitlyn Dever) e Molly (Beanie Feldstein). Que passaram o ensino médio com uma única meta: passar em boas universidades e nada mais. Ambas estavam satisfeitas com isso até que um dia antes da formatura descobrem que seus amigos de classe menos esforçados também conseguiram boas universidades. E resolvem compensar o tempo perdido indo na primeira festa de suas vidas.

Fora de Série

Eu sei o que vocês estão pensando – ESSA PREMISSA DE NOVO? zzZZZzzZZzZ – mas devo adiantar que não é nada do mesmo. Fora de Série usa a mesma fórmula batida de adolescentes norte-americanos. Que normalmente é repleta de piadinhas sexuais e sexistas além de uma busca incansável por sexo e a transforma em outra coisa. Não me entendam mal, as piadinhas sexuais e o sexo ainda estão presentes, afinal, é um filme sobre adolescentes, não poderia ser diferente. O que muda aqui é a forma como são inseridos no roteiro.

O roteiro de Fora de Série é criativo, divertido e inteligente. Nos faz rir do começo ao fim, mas também nos faz refletir ao abordar assuntos como identidade de gênero, sexualidade e masturbação. Além de críticas afiadas sobre pornografia e os padrões impostos pela mídia. Tudo isso muito bem dosado.

Fora de Série

Olivia Wilde (A Vida em Si, 2018) consegue, em sua estreia na direção, junto com seu time de roteiristas (quatro mulheres, vale ressaltar) repaginar vários clichês de filmes High School de forma tão sutil e certeira que nos faz pensar em como aceitávamos as coisas feitas de outra forma.

Wilde deveria pensar em seguir a carreira por traz das câmeras sem medo de ser feliz e assim espero que aconteça. Sua direção tem um olhar próprio e sensível. Tomo como exemplo a cena em que Amy nada na piscina, temos uma longa lista de personagens submersos em piscinas em filmes e mesmo assim essa se tornou a minha favorita. Com a trilha sonora casando perfeitamente a cena é linda e bem produzida.

Fora de Série

Os acertos dessa produção são muitos então vou falar dos que considero mais importantes como a personagem Amy e a forma que o roteiro conduz a sua sexualidade. Amy é uma adolescente lésbica e está tudo bem com isso (como deve ser). O filme em nenhum momento roda em torno do fato da personagem gostar de meninas e muito menos transforma isso em uma questão. Nem para ela, nem para os pais e amigos.

A produção mostra os anseios de uma adolescente preocupada em como falar com a menina que gosta e com a primeira vez e não uma cujo anseio é o fato de ser lésbica e isso foi incrível de ver em tela.

Também não poderia deixar de falar da química espantosa das protagonistas, Kaitlyn Dever e Beanie Feldstein estão incríveis. Eu sempre penso que o grande acerto de uma produção é fazer com que nos importemos com os personagens. E aqui isso funciona de forma instantânea. Nos identificamos com elas. Torcemos por elas e nos preocupamos com elas durante todo o filme. Você só vai precisar de cinco minutos de tela para amá-las (é um fato).

Fora de Série é um daqueles coming of age que a gente sabia que precisava. E agora se sente muito feliz por ele finalmente ter chegado. Equilibrando muito bem o humor e a carga dramática ele diverte e nos aquece o coração. Não importa em qual época da vida você está. Se no colegial, na faculdade ou buscando seu lugar no mundo após tudo isso, esse filme tem algo para te dizer.

NOTA: 10.00

FORA DE SÉRIE – CURIOSIDADES

Time de roteiristas: Sarah Haskins, Susanna Fogel, Katherine Silberman e Emily Halpern
(MULHER NA DIREÇÃO, MULHER ESCREVENDO, VOCÊS ENTENDEM AGORA?)

Sempre bom olhar o copo antes de beber, vai que alguém usou de cinzeiro, nunca se sabe

Você vai chorar e rir na cena final (é sério!)


Sobre o Autor

Paula C. Carvalho
Graduanda em História pela UFRRJ e aspirante a crítica de cinema. Viciada em cinema, maratonas de series e viagens literárias.

Um comentário sobre “FORA DE SÉRIE (2019) – CRÍTICA :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *