KINGSMAN: O CIRCULO DOURADO – 2018: CRÍTICA

KINGSMAN: O CIRCULO DOURADO: A mágica que faz o absurdo com uma boa trilha sonora

“That’ll make you wanna slap your momma, right there.”

Eu posso entender perfeitamente por que as pessoas não estão gostando de Kingsman – The Golden Circle, na verdade, eu posso entender por que as pessoas odeiam Matthew Vaughn em geral. Como Wes Anderson, Guy Ritchie, ou Zack Snyder, seu estilo em particular não funcionará com algumas pessoas, e está tudo bem bem. Kingsman: The Secret Service é um filme que, à primeira vista, eu não gostei. Quando eu vi pela primeira vez, partes dele apenas me incomodaram e arruinaram a experiência em geral. Mas toda vez que re-assistia, ele fica consideravelmente melhor. Os personagens são agradáveis, a ação é divertida e enérgica (bem como uma mudança de outros filmes de ação fora do reino de John Woo ou John Wick/Atomic Blonde) e o script é perfeito na minha opinião em termos de temas e arcos conclusivos. Os poucos problemas que tenho com o primeiro são algumas escolhas de direção estranhas às vezes, alguns problemas no grande esquema de vilões e a quantidade de tempo entre os grandes momentos do final (por exemplo, Eggys ​​leva seu tempo para encerrar aquela batalha final e salvar o mundo). Kingsman O CIRCULO DOURADO CRÍTICA 

Filmes de espiões e conspirações governamentais foram algo fundamentais na minha infância. Por isso 2015 foi um ano interessante para mim com os lançamentos de filmes como The Man From U.N.C.L.E., Kingsman e Spectre. Esses filmes tentam usar a nostalgia para se sustentar, mas U.N.C.L.E. e Kingsman, de alguma forma, fizeram algo novo e inventivo, deixando Spectre comendo poeira como uma relíquia antiga e chata do passado (uma mudança de seu antecessor, Skyfall, que me parece ser o melhor dos dois mundos em termos de nostalgia e novos terrenos ). Mas Kingsman é definitivamente o que eu tirei daquele ano, é algo que eu simplesmente gosto de assistir e vou defendê-lo com todas as minhas forças. Então, houve um grande hype para mim ao redor do novo filme, mas há algo faltando, vou dizer isso imediatamente: é muito inferior ao primeiro filme. Eu tive alguns problemas reais, mas eu também tenho muitos pontos positivos para destacar. 

Meu maior problema é o roteiro. O script não é tão bom. Esse é o maior problema. Há muito mais exposição (principalmente através de Mark Strong e Halle Berry), e a história é mais do mesmo com muita ação e intensidade para isso. O meio parece arrastar um pouco, especialmente quando eles exploram a relação de Statesman (a agência dos EUA) e Eggsy em sua primeira missão na América. Halle Berry e Sophie Cookson são pouco aproveitadas nesse filme. Na verdade, eu preferiria que Cookson estivesse mais a bordo desse filme em vez de Colin Firth, cujo retorno desnecessário só acrescenta à dor do arco de Cookson (que fornece uma conexão emocional com uma parte melhor do filme, mas a um custo).

Este filme é tão extra às vezes ao ponto de incomodar e quase ultrapassar alguns limites. Felizmente, não chegou a tanto, mas as vezes, absurdo demais é só absurdo demais e não acrescenta nada. Alguns problemas reais de continuidade, e o CGI pobre não é exatamente um problema para mim, mas comparado ao anterior, muitos não irão gostar.

O que realmente levou o filme para mim, foram as performances. Taron Egerton nasceu para ser uma estrela. Ele é tão natural no papel e quando é obrigado a sair emocionalmente, ele trabalha e evoluiu seu personagem. Mark Strong está mais uma vez excelente como Merlin, e o que eu apreciei é como eles construíram o relacionamento entre ele e Eggsy no primeiro filme para onde esses dois estão emocionalmente conectados neste filme. Colin Firth é bom, mas eu o prefiro no primeiro filme. Seu personagem não é ruim, de fato, há algumas boas cenas com ele, mas só parece desnecessário.

The Stastesmen é uma adição divertida ao mundo do Kingsman. Jeff Bridges, Channing Tatum, Pedro Pascal e Halle Berry são todos excelentes em seus respectivos papéis, mas na verdade a maioria está lá apenas para servir a história. Julianne Moore é tão alegremente malvada neste filme, e adorei cada segundo dela. Bruce Greenwood, uma lenda. Eu critico o roteiro, mas eu gosto de como este filme brinca com intertextualidade, eles trazem elementos e certas lineups de construção que ficam soltas pela história de uma maneira bem interessante. Elton. John. Que adição.

A ação é uma diversão, e eu sei que o estilo não funciona para todos, mas eu realmente gostei, especialmente a luta final com o Whiskey. O uso de “Take Me Home, Country Roads” neste filme é muito emocional e honesto, o que foi necessário para me investir no resultado do filme, porque há um pouco de tempo entre o evento inicial que inicia o trama e final, e muito acontece no meio, de modo que a cena me levou realmente à batalha final.  

É o filme que de tão ruim fica bom, ou de tão meio a meio que com o tempo irá crescer ainda mais na minha percepção.

A trilha sonora, ajuda bastante.

Eu realmente acabei gostando deste filme. Eu tive problemas, mas mesmo quando o filme começou a falhar, ele rapidamente voltou se recuperou e eu tinha um sorriso no rosto para uma boa parte do filme.

Se eu julgasse este filme com base apenas em guilt trip, seria um dos melhores do ano. Há mais acontecimentos do que no primeiro e é uma grande ação, mas um roteiro fraco com algumas decisões questionáveis ​​pelos escritores/diretor que pesa esse filme. No entanto, Kingsman: The Golden Circle não é uma decepção. É um passo para trás, mas não é um passo na direção errada, estou interessada em ver onde eles seguem o próximo. Porque agora que eles têm um estilo específico para a série, e os criadores abordaram uma história original (esta não está baseada no material original de fonte, no caso os quadrinhos, ao contrário do primeiro filme), acho que o terceiro será o melhor da série ou o pior. Eu realmente quero algo diferente.


Sobre o Autor

Dandara Aryadne
Editora, Artista plástica, ilustradora. Criadora e web influencer do site Cinema ATM onde escrevo algumas coisinhas sobre os filmes que assisto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *