NEXT GEN – CRÍTICA: Uma cópia falha de Big Hero

Quando o trailer de Next Gen estreou na Netflix eu soube de imediato o motivo do meu incômodo: as semelhanças do novo longa com o sucesso da Disney Operação Big Hero eram palpáveis e infelizmente, Next Gen parecia uma cópia mal disfarçada. No entanto, quando o filme fez sua grande estreia na plataforma, engoli meus conceitos e fui assistir. E então eu assisti de novo, só para garantir que minha opinião não era pura implicância.

Não era. Next Gen é uma cópia não tão boa de Operação Big Hero, mas esse não é o porquê de não ter funcionado.

Next Gen crítica

Next Gen conta a história de Mai Su, uma jovem rebelde cuja mãe lida com o trauma de ter sido abandonada pelo marido direcionando seu tempo livre à robôs e novidades tecnológicas. Como resultado desses traumas combinados, Mai cresce passando de uma dócil menina à uma adolescente rebelde que direciona sua raiva ao objetos de afeição da mãe: robôs. Tudo isso numa sequência de créditos iniciais. A aventura começa em uma feira tecnológica depois que Mai se afasta da mãe e acaba esbarrando no projeto secreto do Dr Tanner Rice, o 7723. Por acidente, a jovem acaba ligando o sistema operacional do robô e é daí que tudo se desenrola.

Next Gen crítica

Next Gen é um filme que aposta na ação. Aposta em cenas rápidas e em clichês de narrativas que quando bem executados, chegam a cativar qualquer coração. Acima de tudo, Next Gen aposta numa incrível qualidade técnica.

O problema real de Next Gen é que o roteiro falha ao tentar criar o primordial: uma relação de empatia entre expectador e filme. Olha, não estou dizendo que não dá pra gostar dos protagonistas, é só que fica muito difícil realmente gostar deles se eles parecem uma releitura de algo que você já viu antes. E Next Gen faz isso. TODA HORA.

Next Gen crítica

Quero dizer, como você vai me convencer que o 7723 não é uma cópia menos fofa e incrivelmente mais letal do Baymax? Não dá!

Do paralelo entre as motivações de Mai e Hiro, à relação familiar devastada pela perda de um ente querido, passando pela exposição do sentimento de luto e chegando à dicotomia caricata entre robô bom e robô mal; Next Gen força o expectador a digerir novamente as mesmas questões apresentadas em Big Hero, sem muito esforço pra esconder que, no final, é uma cópia remendada.

Next Gen crítica

Não o bastante, fica muito difícil se importar com as questões da vida de Mai Su, se tudo que sabemos sobre ela é jogado na cara do expectador como se fosse algo que já deveríamos saber. Não há um desenvolvimento grande das personagens que orbitam ao redor dos protagonistas, então também não há grande comoção com o destino delas. Next Gen oscila entre cenas corridas ou extremamente arrastadas e no final, até entrega o serviço decentemente. No entanto, é um daqueles filmes que simplesmente acabam e você esquece sobre eles porque não são marcantes o suficiente.

Next Gen crítica

No fim, senti que tinha perdido uma noite inteira em uma história que facilmente caberia em quarenta minutos de narrativa. Next Gen fala muito sobre nada, faz críticas soltas sobre uma sociedade compulsivamente consumista, pontua algumas frases sobre bullying mas sem chegar a se aprofundar sobre o assunto e dança por cima de relação entre Mai e sua mãe, culminando num final artificial, barato e, francamente, um tanto quanto preguiçoso.