YONLU ( 2017 ) – DICA ATM:

Yonlu é um filme nacional dirigido por Hique Montanari. Que conta a história do músico Vinícius Gageiro Marques, também conhecido pelo pseudônimo “Yonlu”. A vítima do primeiro caso de suicídio assistido pela internet do Brasil. Em março de 2019 a película ganhou o prêmio Humanidade e de melhor ator, no festival de cinema New Renaissance em Amsterdam.

Yonlu crítica cinema nacional

Vinícius Gageiro Marques, também conhecido como Yonlu, foi um jovem porto alegrense filho de uma psicanalista e um professor universitário. Devido ao trabalho da mãe ele se mudou para França com 3 anos de idade, onde foi alfabetizado em francês. Também se tornara fluente em inglês, espanhol e galês antes dos 9 anos de idade.

Vinicius também tinha uma grande aptidão musical. Começou a tocar bateria aos 4 anos e posteriormente piano e guitarra. Devido a essas mesmas destrezas seu pai dizia que ele tinha um tipo de “desvio químico”. O que o fez ter acompanhamento terapêutico desde muito cedo.

Yonlu crítica cinema nacional

Vinicius produziu muitas músicas sozinho, em seu quarto e as compartilhava em fóruns e blogs online. Posteriormente a sua morte, a Allegro Discos lançou sua obra e Yonlu foi considerado um gênio musical internacional. Foi online também que Vinícius encontrou espaço para expor sua depressão e deslocamento.

No filme, Hique Montanari trás uma visão contemplativa do artista que foi Yonlu. O diretor trata desse tema delicado, que é o suicídio, de forma delicada e ao mesmo tempo brutal. O longa usa de uma narrativa bem fluída, poética e extremamente contemplativa. Se apoiando nas músicas compostas por Yonlu e nos desenhos deixados por ele. Mas passa longe de romantizar o caso ou vitimizar a figura de Yonlu.

Yonlu crítica cinema nacional

Ele aparentemente busca descascar o personagem e mostrar todas as camadas do seu psicológico, até chegar na inquietação que o levou ao suicídio. Sem justificar ou romantizar o ato, mas respeitando o legado artístico de Yonlu. É esteticamente lindo, a atuação de Thalles Cabral, que quase beira um monólogo existencialista, não tem erros. E no final o longa nos deixa com nó na garganta e coração apertado.

MINHA VIDA EM MARTE – CRÍTICA: CINEMA NACIONAL 2019

Minha vida em Marte: um bom começo para 2019! 

Nos primeiros minutos de Minha Vida Em Marte não acreditei que estava assistindo um filme nacional. Temos uma fotografia diferenciada de todo o resto do filme. Frames escuros, quentes e pouco saturados.  Tudo na medida certa.  Até mesmo a paisagem carioca se torna diferente em meio ao comodismo fotográfico, porém, esse toque diferente dos demais filmes nacionais acaba bem rápido, nos fazendo ter certeza de que realmente estávamos assistindo a uma obra nacional e carioca. 

Minha Vida Em Marte crítica cinema nacional

Um roteiro comum, mas mesmo assim com ponto positivo.

Algo comum não precisa ser necessariamente ruim. Ela pode ser boa por abordar cenas onde a maioria das pessoas estão vivendo, servindo assim até mesmo como algum tipo de ajuda para quem está passando por situação parecida, mas não sabe como enfrentar e sair dela.

Todo o processo de aceitar estar consigo mesma foi bem representado pela atriz, mostrando o quão difícil é para todas as pessoas sair da sua zona de conforto e ter que lidar com algo novo depois de anos: a própria companhia. Sim, todos que passam pela separação de qualquer relacionamento passam por isso, mas lidam de formas diferentes. Sabem estar na situação e tirar proveito disso. Porém, não é o que vemos logo de inicio.

Minha Vida Em Marte crítica cinema nacional
A personagem foi bem construída para o filme nesse sentido!
Ela mostra o tempo todo que precisa se agarrar à algo para ser feliz consigo mesma, mas com um tempo depois de tentativas sem sucesso, ela consegue chegar ao tão esperado amor próprio.

Paulo Gustavo está infefável! Sua atuação e seu figurino andavam juntos, tornando assim uma equipe de fé consigo mesmo. O trabalho de Anibal era apoiar sua amiga de uma forma amorosa, a sua própria maneira. Fazendo as duas partes (sua amiga e a platéia) entender os motivos a qual a levaram a chegar a conclusão da sua escolha, mas também sendo o alivio cômico para algo ruim e pesado na vida dela.

Minha Vida Em Marte crítica cinema nacional

A trilha sonora e direção de Minha Vida Em Marte estão na medida certa, deixando o filme visualmente leve e agradável para quem está assistindo.

É um filme engraçado e com uma passagem de tempo ideal.

Minha Vida Em Marte é um filme para assistir com o melhor amigo. Para dar gargalhadas ao perceber que vocês são tão parecidos com os personagens cômicos à ponto de dar risadas batendo na coxa ao mesmo tempo.

Minha Vida Em Marte crítica cinema nacional

Minha Vida em Marte é sem sombra de dúvidas A COMÉDIA NACIONAL recomendável para o começo de 2019.