MISTÉRIO NO MEDITERRÂNEO – CRÍTICA:

MISTÉRIO NO MEDITERRÂNEO – A volta de Adam Sandler raiz!

Adam Sandler está de volta e com ele todo seu humor. Após uma série de filmes com pouca aceitação do público e dos críticos de cinema o ator finalmente renovou seu olhar sobre o gênero de comédia. Adicionando camadas de mistério, assassinato e muitos estereótipos, principalmente os ligados a relacionamento à dois. Mistério no Mediterrâneo é a mais nova produção Original Netflix sob a direção Kyle Newacheck.  Que conta também com a presença da atriz Jennifer Aniston.  Reafirmando a química existente com Adam Sandler tendo em vista que a dupla já atuou no filme Esposa de Mentirinha.

Em Mistério no Mediterrâneo acompanhamos o policial Nick Spitz (Adam Sandler) que persiste em realizar o testes para se tornar detetive e assim alcançar sua tão sonhada promoção. Algo que mantêm escondido de sua esposa Audrey Spitz(Jennifer Aniston). Uma cabeleira aparentemente feliz com seus 15 anos de casamento. Porém reprime uma grande frustração. Já que a promessa de viagem de Lua de Mel à Europa ainda não passa de planos que não foram realizados mesmo após anos de casamento.

Um jantar comemorativo entre amigos começa a trazer a tona questionamentos que causam uma tensão no casal Nick e Audrey. Parte sobre a prometida viagem à Europa, e parte por Nick esconder de Audrey que ainda não passou na prova de detetive. O casal possui uma química incrível. Mostrando a maturidade ao lidar com diferença de opiniões utilizando muitas vezes o humor.

Mistério no Mediterrâneo

Além de brincadeiras internas que suavizam as tensões da vida à dois e com pequenas brigas. Como por exemplo a compra do remédio errado só por ser 50 centavos (50 cents) mais barato. Ou pela obsessão em higiene do outro. Nick é um marido atencioso e dedicado. Que percebe que a viagem à Europa pode ser algo que vai desestabilizar a vida do casal de forma econômica. Mas que é algo necessário para mostrar seu amor por Audrey.

Saindo do cenário de Nova York e partindo para o continente Europeu Mistério no Mediterrâneo começa a ganhar suas camadas de mistério. Sem abrir mão da comédia, ao serem apresentados ao elegante e charmoso Charles Cavendish (Luke Evans).

Mistério no Mediterrâneo

Que de forma inusitada convida o casal para participar de sua reunião de família que será realizada no iate de seu tio milionário Malcolm Quince. Audrey fica extremamente entusiasmada com o convite, porém Nick já possuía planos para o casal. Mas acaba sendo convencido por sua esposa e assim embarcam em uma viagem pelos mares europeus em meio a luxo, intriga familiares e um misterioso assassinato.

Mistério no Mediterrâneo é uma comédia que interage de forma harmoniosa e descontraída com gêneros diversificado. Sem perder o foco no humor. Revelando uma fotografia charmosa e convidativa e apresentando um roteiro que mais parece ser uma quebra da 4ª parede. Já que Audrey e Nick possuem diálogos que muito se assemelham ao de qualquer espectador ao assistir um filme de mistério policial.

Mistério no Mediterrâneo

Mistério no Mediterrâneo surpreende por trazer um olhar mais cotidiano sobre seu oposto. A interação entre Adam Sandler e Jennifer Aniston é o auge de todas as cenas. Fazendo do filme uma ótima opção para assisti. E podendo ser considerado um dos melhores trabalhos de Sandler nos últimos anos.

TE PEGUEI ( TAG – 2018 ) – CRÍTICA :

TE PEGUEI (2018) – Uma comédia maravilhosamente bem feita!

Te Peguei, lançado com um orçamento comparativamente modesto e sem muitas grandes expectativas. Sem esperanças de um grande retorno financeiro ou de crítica, Te Peguei tem como objetivo principal ser um filme divertido. Se funcionar, ganhamos uma surpresa maravilhosa como tivemos com Noite de Jogo. Se não funcionar, ninguém iria perder o sono por mais um filme de comédia. Mas eis que Te Peguei, é verdadeiramente uma surpresa bem-vinda. 
Te Peguei
Te Peguei é baseado em um evento da vida real. Inspirado em um artigo de jornal que conta a história de um grupo de amigos que jogou a brincadeira por vinte e três anos. O filme se baseia nessa ideia e apresenta novos personagens e conta sua própria história de maneira divertida, leve e direta. Te Peguei conta a história de cinco amigos que brincam há 30 anos, todo o seguinte mês de maio de cada ano.
Na véspera do casamento de Jerry (Jeremy Renner), eles decidem jogar a rodada final e finalmente derrotar Jerry, o marcando, coisa que nunca havia acontecido antes. Hogan (Ed Helms), Reggie (Aníbal Buress), Callahan (Jon Hamm) e Randy (Jake Johnson) com a ajuda da esposa de Hogan, Anna (Isla Fisher) tentam arruinar a pontuação de poder de Jerry.
Te Peguei
Te Peguei sofre um pouco em seu terceiro ato. Pelo uso exagerado de certas pontuações de comédia e o deslizar da história, e eu não crítico quem reclamar dessa parte final do filme. Mas, a primeira metade inteira é de uma excelência maravilhosa. É terrivelmente engraçado. Cenas de ação divertidas e exageradas e comentários internos de Jeremy Renner sobre as patéticas tentativas de seus amigos de marcá-lo pela primeira vez em 30 anos.
Você verá a previsibilidade por trás do enredo no início do filme, mas Te Peguei não foi criado para ser um filme com subplots ou um alto nível de subjetividade, Te Peguei foi criado para nos fazer rir e a garantia de performances hilárias. O espectador consegue ver que o elenco está se divertindo. Todos possuem um timing cômico certeiro e estão muito a vontade em seus respectivos papéis.
Te Peguei
Dois destaques para Jeremy Renner em seus monólogos heroicos, sobre como a gangue nunca conseguiu pegá-lo. E para Isla Fisher que ganha o prêmio no lado feminino do elenco. Anna é tão competitiva quanto os rapazes. E apesar de não fazer parte da equipe original da brincadeira, ela participa de cada manobra e ideia para derrotar o campeão invicto. Fora que seu acervo de palavrões é inesgotável! 
Te Peguei é altamente viciante e divertido. O filme não tem nada de grandioso, é limpo e simples, faz o que se propõe a fazer. É exatamente o tipo de coisa que eu amo e exatamente o tipo de coisa que eu ficaria feliz em assistir toda vez que eu me sentasse para assistir a um filme.