CORRENTE DO MAL (2014) – DICA ATM:

CORRENTE DO MAL – Um forma sutil e boa de fazer terror

É certo que os anos 80 e 90 fizeram com que a maioria dos filmes de terror ficassem presos a uma única estética. Isto é, slasher junto a incansáveis jump scares e sons altíssimos com intuito de causar sustos. Evidente que esses filmes carregam em si grandes responsabilidades, e muitos desses são considerados clássicos e consagrados até hoje. Porém esse antigo modelo já não é mais eficiente, e não causam tanto impacto como antes. Corrente do Mal (It Follows) consegue se destacar. 

Visto que, atualmente os filmes de terror submetem ao psicológico, retirando um terror menos gráfico e mais sutil. Com isso pode-se afirmar que atualmente coexistem critérios diferentes de produções e que atingem públicos diferentes. Em meio a esta nova tendência de filmes de terror é valido afirmar que Corrente do Mal , é um filme independente de terror dirigido e roteirizado por David Robert Mitchell.

A premissa de Corrente do Mal é simples: uma criatura persegue certo indivíduo até que o mesmo morra ou passe a maldição a diante. Pode-se parecer uma trama clichê. Mas o toque de originalidade do filme fica por conta de como a maldição é passada para a frente: através do ato sexual.

A trama inicia-se no desenrolar da protagonista do filme, Jay (Maika Monroe), que após um sexo casual com Hugh (Jake Weary), um cara que até então é novo na cidade. E é então que as coisas complicam. Quando Jay é amarrada a uma cadeira de rodas por Hugh, que explica como a corrente funciona. A cena é opressiva e apresenta um conceito aterrador: uma criatura imparável que vai te perseguir até a sua morte.

Parece bem com uma premissa de slasher movie, mas o filme segue por um caminho mais psicológico, sem explorar o uso exacerbado de violência. O diretor pega uma proposta antiga e a atualiza para o mercado jovem atual. Corrente do Mal também se preocupa em não ser vazio, fazendo paralelos com a perda da virgindade, propagação de doenças sexualmente transmissíveis e a vergonha que alguns atos podem trazer.

É admirável a fotografia é a paleta de cores. Bem como os enquadramentos e movimentações de câmera. Tudo isto é apresentado em um plano longo no qual tudo torna-se visível. A ambientação suburbana decaída é perfeita. Entretanto a trilha sonora,  na qual é feita por sintetizadores, é ótima para compor o clima proposto pelo filme. Formando um tom minimalista é charmoso e amedrontador.

Um dos pontos altos e também interessantes é que, nenhum momento é explicado a origem da criatura. Este trabalho é deixado para o espectador formular suas próprias hipóteses. Porém este filme não é nonsense. Apenas deixa seu universo para uma interpretação aberta seja ela: local, ano e origens. 

Corrente do Mal não é um filme amedrontador. Mas sim uma obra que demonstra que o gênero do terror consegue a proeza de ser construído com aspecto artístico. Assim como intelectual e ilustre.