TOY STORY 4 – NOVA ADIÇÃO PIXAR DE 2019 – CRÍTICA:

TOY STORY 4 – A REALIZAÇÃO DE UMA SEQUÊNCIA BEM VINDA 

Anos se passaram e a Walt Disney Company e a Pixar Animation Studios continuam a superar as expectativas. Após quase nove anos desde de o último filme da franquia, Toy Story 4 chega aos cinemas com a direção Josh Cooley, mantendo John Lasseter na criação de idéias de roteiro e Lee Unkrich participando da produção. O novo filme tem todos os elementos necessários para a alegria de seus fãs.

Toy Story 4

Embora o terceiro filme tenha saciado a necessidade de conclusão, a proposta de um quarto filme deixou uma certa insegurança no público que acompanham aos filmes. Porém Toy Story 4 pode ser considerado uma ampliação de seu próprio universo podendo enxergar novos horizontes. Sem abrir mão da essência dos filmes anteriores.

Woody, Buzz Lightyear e todos os outros brinquedos continuam pertencendo a pequena Bonnier. Que durante sua primeira dia no jardim de infância cria seu próprio brinquedo introduzindo assim o novo personagem. Garfinho, um objeto descartável que ganha vida após ser transformado em brinquedo na aula de artes de Bonnier. O Garfinho por outro lado, não entende o conceito de ser um brinquedo. E é relutante em aceitar sua nova utilidade. Pois acredita fielmente que foi criado para ser descartável tendo como destino final o lixo e não o carinho e atenção de uma criança.

Toy Story 4

Assim começa nossa aventura em Toy Story 4. Onde Woody assume a difícil missão de fazer com que o Garfinho perceba sua nova realidade como brinquedo. E de sua importância na vida da pequena Bonnier. Além de fazer com que Garfinho veja que não é apenas mais um objeto descartável. O filme conta também com outros novos personagem a Policial Giggle McDimples, Duke Caboom e Gabby Gabby.

Mas os destaques do filme são o Coelho e o Pato. Que apresentam um comportamento bastante adulto para brinquedos que são destinado à crianças. Mas os dois personagens garantem um humor diferente do que havia sido mostrado nos filmes anteriores.

Toy Story 4

Não só de novo brinquedos é feito Toy Story 4. O filme conta com o retorno de Betty e seus carneirinhos. Que estão livres no mundo sem uma criança para dedicar seu amor e vida. Woody fica espantado não só pelo novo comportamento independente e empoderada de Betty, mas principalmente por fazer com que ele repense seu próprio conceito de que brinquedos só existem para pertencer a uma criança.

É fácil perceber que a trama se desenvolve em torno da aceitação. E da possibilidade da reutilização de coisas que podem ser consideradas descartáveis para alguns. Porém pode ter uma relevância muito importante para o outro. A aceitação de novas possibilidades, de algo que pode ir além do que estava previsto para ser.

Toy Story 4

Outra trama cresce de forma similar ao tema central do filme. Ampliando a visão dos brinquedos para um mundo onde eles não venham a depender de uma criança. Propondo algo desconhecido, arriscando novas alternativas e saindo da zona de conforto.

Dos últimos filmes da franquia por mais que essa pequena mudança desperte um sentimento aterrorizante, essa nova ideia proposta em Toy Story 4 pode dispor de um leque de opções. E aventuras imensuráveis.

Toy Story 4

A computação gráfica utilizada para a produção é algo que atinge a perfeição. Sendo bem detalhista. Desde as gotas de água de uma chuva até as luzes e magia que devem ser retratadas ao exibir um cenário de parque de diversões. O roteiro consegue não só acompanhar o ritmo das cenas, como completar os sentimentos que devem ser transmitidos.

Já a trilha sonora é um espetáculo à parte além da tradicional música “Amigo estou aqui” o compositor Randy Newman contemplou Toy Story 4 com uma nova canção original marcante. Assim como a versão brasileira não deixa a desejar causando no público a sensação de acolhimento ao universo Toy Story.