GRETA (OBSESSÃO) – 2018: CRÍTICA

GRETA: UM EXCELENTE SUSPENSE PESSOAL

Poucas pessoas pensariam que uma inocente bolsa verde perdida no metro poderia funcionar como uma bela isca. Frances McCullen (Chloe Grace Moretz) certamente não é uma dessas pessoas. Calma e de boa índole, Frances encontra a bolsa perdida numa noite, quando está voltando pra casa de ser turno de serviço. Pensando em fazer uma boa ação, ela resolve levar a bolsa até sua dona e lá conhece uma dócil senhora, Greta, de sotaque francês carregado. Que a convida para um chá em forma de agradecimento.

Greta

Isabelle Hupert interpreta a solitária Greta Hideg. Uma professora de piano que vive sozinha depois da morte do marido e cachorro. A filha, única parente viva, mora em Paris. É obvio que ambas são muito solitárias e as peças que faltam em suas vidas parecem se encaixar perfeitamente. Já que Frances sofre com a perda recente da mãe, que morreu de câncer, e com sua relação afastada com o pai, Chris.

Vendo uma na outra a possibilidade de dias mais felizes, as duas começam a passar cada vez mais tempo juntas. Nas palavras de Greta, “todo mundo precisa de um amigo”, e Frances não vê mal algum nisso. Mesmo sendo advertida por Erica (Maika Monroe), sua melhor amiga com quem divide o apartamento.

Greta

Em uma noite, enquanto preparam o jantar juntas, Greta pede a Frances que procure as velas no armário e é aí, ao abrir a porta errada, que Frances encontra diversas bolsas idênticas àquela que ela retornou. Algumas com nomes e números escritos atrás, o dela própria inclusive. Assustada, Frances finge sentir-se mal e volta pra casa, decidindo que, a partir dali iria cortar relações com Greta.

Greta, no entanto, não gosta nem um pouco disso e passa a perseguir Frances. Ligando diversas vezes, aparecendo em seu local de trabalho e chegando até a perseguir Erica enquanto manda fotos constantes para Frances. A trama chega ao ápice quando Greta finalmente sequestra Frances. Trancando-a em um quarto secreto atrás do enorme piano que tem na sala. Usando as redes sociais de Frances, Greta consegue fazer parecer que ela está numa viagem com Erica, para Chris dela, e com o Chris, para Erica.

Greta

SPOILERS >>>

É o ponto alto para Greta, que finalmente tem alguém sob sua tutela novamente. Fica claro que ela vem fazendo isso continuamente vítima após vítima. E que a única que conseguiu escapar de suas garras foi sua filha, Nicola, que se suicidara alguns anos antes. Incapaz de continuar lidando com as cicatrizes emocionais que a mãe lhe causara. Com lições constantes de piano e culinária, tudo parece celestial para Greta. Até que Frances tenta fugir.

É nesse ponto que ela decide que o tempo de Frances está acabando. E resolve colocar mais uma bolsa como isca para uma nova jovem de boa índole encontrar. Funciona, já que a bolsa é pega por uma jovem de cabelos castanhos que a leva direto a casa de Greta.

Greta

Seguindo o roteiro programado em sua cabeça, Greta se comporta exatamente como na cena em que encontra Frances pela primeira vez. Inclusive com as mesmas frases. Mas é só depois que bebe seu chá que ela nota que algo está errado. Sentindo-se tonta e prestes a desmaiar, Greta observa enquanto a jovem tira a peruca que usava e descobrimos que é Erica. Que tem passado todo esse tempo procurando a bolsa pelos metros, esperando uma chance de encontrar Greta e salvar Frances.

Com direção de Neil Jordan e roteiro de Neil Jordan e Ray Wright, Greta (Obsessão) é um suspense que vai escalando deliciosamente até a cena final. É possível sentir os pontos aonde a sanidade de Greta vai se quebrando. E ela vai mostrando exatamente quem ela é realmente. Acompanhado de uma fotografia simples, que ajuda a criar essa ambientação de “isso pode acontecer com qualquer um”, Greta é um ótimo suspense e prende até a última cena.

UM PEQUENO FAVOR (2018) – CRÍTICA SEM SPOILERS

UM PEQUENO FAVOR: Ácido, sarcástico, inteligente e repleto de bom humor

Um pequeno favor (A Simple Favor), é um suspense policial dirigido por Paul Feig (As Bem Armadas, 2013) baseado na obra literária de Darcey Bell lançada ano passado. Na trama, acompanhamos o surgimento da amizade entre Stephanie Smothers (Anna Kendrick) e Emily Nelson (Blake Lively), ambas se tornam melhores amigas e quando Emily pede para que Stephanie busque seu filho na escola desaparecendo logo após, Stephanie não mede esforços para descobrir o que aconteceu com sua amiga.

Um pequeno favor

Filmes de suspense sempre caíram no gosto popular, a trama cheia de reviravoltas e mistérios que nos faz criar inúmeras teorias.  Um Pequeno Favor possui a trama que fisga e todos os elementos de um bom suspense, porém ele é mais do que um suspense bem feito. Ele nos oferece um plus nos entregando um thriller diferente e inteligente, repleto de humor e sarcasmo.

A narrativa é acelerada, mas sem nos deixar perdidos. É contada com a ajuda de flashbacks (recurso muito bem utilizado), a história nos prende durante toda a duração, não nos sentimos cansados em momento algum e isso se deve muito a quantidade de plot twists presentes, por um momento pode até parecer excessivo, mas ao final notamos que cabem perfeitamente dentro da proposta.

Um pequeno favor

Toda a trama que se inicia em torno do desaparecimento de Emily. Este pode ser o centro do roteiro, mas a cereja do bolo são Stephanie e Emily. A construção das personagens é consistente e muito bem apresentada. Kendrick faz a mãe doce e ingênua que possui um canal de dicas para mães na internet. Enquanto Lively é manipuladora, sedutora e tem uma posição importante no mundo da moda. Mesmo que completos opostos, a amizade entre as duas nasce.  

O maior acerto da produção é, sem dúvida, a excelente escolha das atrizes protagonistas. Anna Kendrick entrega uma Sthefanie impecável, impressionante como o papel lhe cai bem, a atriz parece ter facilidade em interpretar papeis que detenham um cunho humorístico e o faz de forma muito natural. Já Blake Lively está exatamente o que o papel pede, UM MULHERÃO! Sexy e elegante, impossível desviar os olhos.

Um pequeno favor

Podemos dizer, com propriedade, que Um Pequeno Favor bebe da fonte de Garota Exemplar (Gone Girl, 2014) ao montar sua trama, mas nem de longe se parece com o longa dirigido por David Fincher. Aqui a narrativa é construída de forma bem-humorada, sarcástica e ácida, bem diferente do tom sombrio em que Garota Exemplar é conduzido.

Um pequeno favor

Um Pequeno Favor foi uma grata surpresa para a pessoa que vos escreve, é um daqueles filmes que queremos rever logo depois de ter assistido. Você ficará preso nele sem sentir, vai estar se divertindo muito para isso.

CURIOSIDADES

– O filme é maravilhoso, Blake Lively de terninho é ainda mais.

– Você vai aprender, com muita elegância, com o se faz um Martini de verdade.

NOTA: 9.0