CINDERELA POP (2019) – CRÍTICA:

Cinderela Pop – Uma divertida releitura do clássico conto

A leva de filmes com roteiros adaptados de livros teen têm crescido no Brasil nos últimos anos. Só de 2015 para cá tivemos Tudo Por Um Popstar; Fala Sério, Mãe; É Fada e Meus 15 anos. Mais e mais autoras nacionais fazem sucesso entre os adolescentes. E o mercado audiovisual acompanha o ritmo. Lançado em fevereiro, Cinderela Pop segue portanto essa linha e faz uma engraçada e divertida releitura do clássico conto de fadas.

Cinderela Pop

O filme segue a história de Cíntia (Maísa), uma adolescente que sonha em se tornar DJ profissional. Com a separação de seus pais, ela ganha uma madrasta malvada (Fernanda Paes Leme) e duas irmãs postiças (Letícia Pedro e Kiria Malheiros). Elas fazem de tudo para atrapalhar seus objetivos. Diferente do original, em que as doze badaladas marcavam o fim do baile, a meia noite aqui marca o fim do seu set como DJ. E a volta a sua realidade como adolescente normal.

O mais divertido para mim foi ver a maneira como Cinderela Pop se conectou com a realidade dos adolescentes de um jeito inteligente e fora do comum. A protagonista é dona de si. Forte e moderninha, como podemos dizer. Diferente da releitura da Disney nos anos 2000, imortalizada no clássico, A Nova Cinderela com Hilary Duff como a principal. Não senti um peso tão grande na parte dramática. Sobretudo gostei que os pais não estivessem mortos, como geralmente é contada a história. Eles na verdade têm um papel central, e a relação de Cíntia com sua mãe é muito bem explorada.

Cinderela Pop

As atuações são boas e convincentes. Para quem conhece e acompanha o trabalho da Maísa, pode rolar a impressão de que ela interpretava a si mesma. O que não é um super problema afinal complementa a personagem. O príncipe Freddy Prince foi interpretado por Felipe Bragança (Eu Fico Loko) e sua prima e fiel companheira ficou a cargo de Giogava Grigio (Eu Fico Loko, Chiquititas).

Com direção de Bruno Garotti (Tudo Por um Popstar), Cinderela Pop tem o roteiro assinado por Bruno Garotti, Flávia Lins Marcelo Saback. Paula Pimenta, autora do livro homônimo que inspirou a obra também faz participa da criação. Recentemente inserido no catálogo da Netflix, já está disponível no Brasil e em diversos países.

TUDO POR UM POP STAR – CRÍTICA

Tudo Por um Pop Star – O filme que todo fã adolescente vai se identificar

Há uns anos, lá na época que eu era adolescente, eu conheci o livro da Thalita Rebouças, Tudo Por um Pop Star. Era uma época que eu vivia viciada em livros e estava no auge do meu momento fã: eu chorava por não ter como encontrar os meus ídolos, engolia todas as notícias que saíam, tinha uma pasta no meu computador com incontáveis fotos deles e sonhava com o dia em que nos encontraríamos e eu me casaria com o Daniel Radcliffe e viveríamos felizes para sempre. O tempo passou, eu ainda amo o Daniel com todo meu coração, e fiz algumas loucuras por outros atores e cantores que me fizeram muito feliz. E ao ver Tudo Por um Pop Star eu revivi tudo isso!

Tudo Por um Pop Star crítica

Tudo Por Um Pop Star conta a história das amigas Gabi (Klara Castanho), Manu (Maísa Silva) e Ritinha (Mel Maia), que vivem na cidadezinha do interior e compartilham de um amor em comum: os Slavabody Disco Disco Boys. Quando a banda anuncia sua primeira visita ao Brasil, as meninas fazem de tudo para encontrar os seus ídolos, e nesse meio tempo enfrentam um monte de situações embaraçosas e engraçadas. Para conseguir convencer seus pais a deixarem ir, elas contam com a ajuda de Babete, prima de Gabi (Giovana Lancelloti).

A sequencia inicial é ótima e dá logo o tom para o resto do filme. As meninas dançando ao som de sua banda preferida, enquanto realizam atividades do dia a dia, o quarto cheio de apetrechos e pôsteres dos meninos. Quem nunca? O filme tem umas piadas super engraçadas, outras nem tanto, mas no final teve um balanço legal. Os espectadores no início demoraram a pegar o ritmo, quase ninguém achava graça. Mas conforme o longa ia seguindo e o pessoal entrava mais e mais na historia, foi ficando mais fácil de acompanhar.

Tudo Por um Pop Star crítica

Algumas cenas são um pouco exageradas, mas isso  me lembrou muito o filme que na minha época era a representação do fã, Confissões de Uma Adolescente em Crise, estrelado por Lindsay Lohan e Alison Pill. Quem achou Tudo Por um Pop Star pouco verossímil é porque não assistiu esse clássico adolescente. Onde as meninas viram Nova Iorque de cabeça pra baixo para encontrar a casa do cantor preferido delas. 

As meninas Klara, Maísa e Mel estão maravilhosas nos papéis! Dá pra ver o quanto elas se divertiram. As três tem uma ótima química em cena, e sem isso o filme não seria tão legal quanto terminou sendo. Giovana Lancelloti também convence bastante no papel de prima hipster descolada (queria ser quando crescer). O filme conta ainda com a participação de Felipe Neto como o excêntrico, e um pouco caricato Youtuber Billy Bold, e do jovem galã adolescente João Guilherme Ávila.

Tudo Por um Pop Star crítica

Tudo Por um Pop Star é super leve e não vai desagradar aos pais que levarão os filhos para assistir. Eles podem até reprovar umas atitudes, mas à esses eu simplesmente peço que lembrem-se de que vocês foram adolescentes. Quando a gente cresce e acaba esquecendo o quão é bom fazer coisas por amar demais. Eu nunca me arrependi de ter passado três dias na porta do hotel pra conhecer minha atriz e cantora preferida. É bom acreditar e ter sonhos, e a gente pode se lembrar um cadinho disso de vez em quando.